16/07/2011

A vida vai andando...

Semana lotada de compromissos, convites, reuniões, encaminhamentos. As obrigações se acumulam, a dificuldade de dizer não a mais trabalho foi sempre uma das minhas características mais difíceis de mudar. Mas eu estou feliz: o mestrado vai acabando, e a vida vai se mostrando no horizonte.

Eu mantive a sensação de  estar "parada no tempo" enquanto ia diminuindo meu ritmo de trabalho nestes dois anos. Falo ainda com vergonha da minha carga de trabalho, acreditando/ sabendo que é muito pequena para o que estava acostumada. Fora ter visto vários amigos crescendo, mudando, viajando, vivendo, e eu aqui.... estagnada nessa dissertação que parecia que não ia terminar nunca.

Hoje, com a defesa marcada, a qualificação realizada, as idéias mais arrumadas na cabeça, o universo resolve me mandar oportunidades, e eu vou agarrando todas que eu posso. Feliz, revejo minha trajetória, percebo não apenas o quanto eu cresci, mas também o quanto ainda preciso crescer.

Traballho sempre foi importante para mim, é preciso compreender. Fiz escolhas radicais, complicadas, passei dificuldades financeiras, mas persisti (ainda persisto, não fiquei rica, rs). E hoje recebo convites, críticas, elogios, e colecionei muitas ammizades e contatos que me alegram imensamente.

Ainda tem muito o que fazer, ainda vou sofrer um bocado, mas ver o fim disso é uma sensação maravilhosa!!! Tomara que chegue logo!

05/05/2011

Uhura... "ela anda em beleza, como a noite".

Ela era preta de olhos amarelos, e achamos que esse foi o motivo para ter sido a última da ninhada, a que ninguém queria. Eu, que acredito em Deus, acho que ela foi deixada para nós, que queríamos um gatinho macho e de pêlo curto, e que achamos uma gatinha muito, mas muito peluda. Foi pegar no colo e chamar de "bebê da mãe", imediatamente receber seu nome, como se estivesse sendo reconhecida.

Imensamente dócil, sedutora, daquelas que oferecem a barriga para qualquer um passar a mão. Daquela que miam bem alto, que conversam com pessoas, que reclamava para sair um pouco de casa, que atacava o rolo de papel higiênico durante a madrugada. Brigava com as outras gatas, gostava de beber água de qualquer lugar menos do potinho, adorava um banheiro, fazia amizade com as vizinhas.

Ela sofreu, não pude impedir, não pude consolar. Meus cuidados traziam mais sofrimento ainda, mas havia a promessa da melhora. Se ao menos a gente soubesse antes... se a gente soubesse antes, não viveria, e ela viveu, e eu com ela. E você ainda me livra da responsabilidade (e da culpa) de decidir sobre a sua vida, generosamente. 

Uma vez, em um dos meus sonhos, você apareceu, para me dizer que não importava para onde a gente ia, por que nos amaríamos para sempre.

Eu te amei, ainda te amo, sempre te amarei. 
Hoje eu sou menos eu sem você.

21/04/2011

Eu sou uma fraude

Eu posso parecer uma muralha de tão forte, mas é mentira. 

Pode parecer que eu não ligo para a opinião alheia, mas é mentira.

Pode parecer que eu sou capaz de fazer qualquer coisa que eu me proponha. Bom, isso é verdade, mas eu consigo depois de lidar com uma tonelada de dúvidas e medos.

Esmagada pela minha autopiedade, eu peço socorro, bem baixinho. E depois me arrependo de não ter sido tão forte quanto aparento. E depois me arrependo de não ter pedido socorro antes, ou mais alto. E depois, e depois, e depois... eu mudo como o vento. Eu não sou coerente.

Me sinto culpada por não ser mais competente do que eu já sou, por não ter feito outras escolhas, mas eu sei que não conseguiria fazê-las de forma diferente, mesmo agora. 

Me sinto uma idiota por chorar, mas é um alívio. E me sinto consolada. Eu tenho uma Ohana. "Ohana significa família. Família significa que ninguém será abandonado nem esquecido." (Stitch)

02/04/2011

Mega sorteio duplo!

Lá nos fofíssimos Villa Pano e no Calma que estou com pressa... cada coisinha linda!

eu TINHA que divulgar!

23/03/2011

Haja hoje para tanto amanhã...

Eu queria já estar de malas prontas!
... já que o ontem não pesa tanto, quando a gente pensa em todos os planos, esperanças, dúvidas que pairam no ar...

Ansiedade é o preocupar-se com o que não aconteceu, e é isso que acontece comigo: penso na semana que vem, no mês que vem, no ano que vem... Penso em como garantir meu sustento se uma catástrofe acontecer, nos meus pais em sua velhice, na continuidade das minhas relações, em quem eu quero ser quando não houver mais futuro em minha frente...

Quero ser uma velhinha feliz e de bem com a vida, cheia de histórias engraçadas, maluquices que eu tenha feito, com muita gente em volta, muitas fotos de gatos nas prateleiras, livros que não acabem mais nas estantes, e energia para viver mais aventuras, até quando der.

Mas hoje, especialmente hoje, eu gosto de experimentar o que ainda não senti, mas que sei que está lá no meu futuro: a realização de um sonho. Este ano eu conquistarei dois (eu sei que vai ser assim), e tenho passado alguns momentos saboreando este triunfo, esta plenitude.

Eu já sei como vou me sentir: pelo mestrado, vou me sentir aliviada, leve, solta. As amarras da dissertação não me prenderão mais quando eu pensar em algo para fazer, em trabalhos para assumir, em viagens para planejar. Acho que as asas encobertas pela culpa de hoje vão se abrir e eu vou ver todo mundo de cima, como formiguinhas em suas preocupações pequeninas...

E pela minha viagem, a primeira de muitas que se seguirão? Só de pensar em estar sozinha em um país que não conheço, me sinto a pessoa mais poderosa que há!!!! O coração bate mais rápido, a respiração também se acelera, o sorriso aparece sozinho, imenso, enquanto estou de pé no buzú lotado de manhã cedo...


Nas duas ocasiões, a vontade de gritar bem alto: "eu consegui, PORRA"! E é esse sentimento antecipado que me sustenta, me segura no hoje, e me faz saber que é por isso que tudo vale muito a pena.

Mas isso é hoje; no amanhã estarei LIVRE!!!!