05/01/2010

Machismo ou conservadorismo?

Ser conservador não é necessariamente ruim, eu penso. Machismo, com certeza, e tanto quanto feminismo, apesar de me considerar (às vezes) feminista. Na verdade, são bem poucas as pessoas que se consegue identificar um posicionamento mais estável na "guerra" entre os sexos.

Meu roommate, p. ex., tem a fama de ser machista, embora eu identifique diversas situações em que seu posicionamento é bem mais flexível do que as pessoas possam pensar. Como ouvi recentemente, "não é que ele seja machista, ele é apenas conservador". Mas o que pode significar ser conservador hoje em dia, meu deus?

Esperar que a namorada faça seu prato no churrasco? Considerar que é o homem quem deve pagar a conta do restaurante? Preferir abdicar de uma parcela do trabalho para se dedicar à criação dos filhos, ao invés de deixá-los com a babá? Achar que homem pode ir para festas sozinho, e mulher não?

Fiquei revoltada com a estória do namorado que brigou com a respectiva por que esta não passou sua roupa direito e fiquei me questionando: ué, e ele paga salário para ela? O pior é que ele deve considerar que sim, já que paga todas as suas despesas, se brincar até o plano de saúde (e não são casados).

Minha primeira reação (intempestiva e claramente feminista) foi a de reforçar a idéia de que nós precisamos demonstrar independência e pagar nossas contas, sempre. O amigo que ouviu a estória fez o lindo comentário: mas quando a gente paga contas de restaurante para uma mulher, é por querer fazer uma gentileza, por querer agradá-la. Me desarmou, claro!

Taí: perdi o sentido do conservadorismo, do machismo, do feminismo, mas principalmente da gentileza. O medo de cair numa relação que aprisiona me afasta da possibilidade de uma relação verdadeira, gentil e afetuosa. Não reconheço com facilidade um ato gentil.

Aí a amiga vai dizer: é por isso que a gente tem que (re?)aprender a ser daminha, a dar espaço para que os rapazes sejam cavalheiros. O problema é também dar espaço ao rapaz para que ele seja autoritário e invasivo.

Bom, o amigo querido ganhou um almoço grátis hoje. Fiz questão de pagar e fazer esta gentileza.


Hoje foi dia de comer bode!

5 comentários:

  1. Se quando o cara deixa de fazer as coisas por gentileza pra fazer por autoritarismo, precisa haver uma reação. Como em tudo na vida, é preciso ter limites. Dá pra ter uma relação saudável em que uma das partes seja mais generosa por gentileza, mas é preciso deixar claro que não se espera um pagamento em troca. E se isso for cobrado, o outro precisa se levantar contra isso, ao invés de baixar a cabeça. O maior problema dos relacionamentos é o silêncio, e no medo de perder o outro, de estar sozinho, de se sentir falho, as pessoas sofrem caladas várias agressões.

    ResponderExcluir
  2. Acho que cada um tem de pagar a sua prórpia conta... Nem vem que não tem! Mané papo de gentileza pagar mané conta... Quer ser gentil, vá na internet, pegue a receita do prato preferido dela, treine, ofereça a "cobaias humanas" e se aprovarem chame ela para um jantar a dois, com direito a luz de velas e tudo o mais...
    Quer ser gentil, abra a porta do elevador, do carro, da casa... Quer ser gentil? Leve ela para ver o por do sol e carregue ela pois ela tem nojo de areia... Espere ela com paciência monástica depois de terem perdido as duas primeiras sessões de cinema por que ela não sabia se usava o vestido vermelho ou a leg preta, ou os dois juntos... E agora só tem a sessão da meia-noite... olhe para ela e diga, cê tá linda de calça verde amor(mas não diga que tá muito melhor que a leg ou o saia, se não a tromba cresce e rola DR)...
    Ficar pagando qualquer conta... quaisquer que seja não é gentileza é a cinza da dominação econômica masculina sobre o universo feminino querendo dar o ar da graça!
    A bem da verdade nem sei qual é o caso da menina que o namorado brigou, mas acho até que ela merecia umas tapas da mãe e do pai, para deixar de ser descarada e aceitar essa situação. Mas se aceitou, tem mais é que comer calada ou então acabar o namoro.

    ResponderExcluir
  3. olha, pablo... adorei suas sugestões de gentileza... acho que, independente da forma como esta aparece, o importante é esse cuidado.

    ResponderExcluir
  4. Sobre o namoro que brigou com a namorada por que ela não passou a camisa direito.

    Quando terminar a relação, ela entra com uma ação de partilha de bens pois tudo que ele adquiriu no período em que estavam juntos foi com o auxílio dela.

    Entenda pelo auxílio dela a roupa passada, a comida na mesa, a roupa lavada, a casa arrumada, o apoio moral e psicológico pra ele desenvolver bem as suas atividades laborais...

    Então, já que ela pode requerer os parte dos bens do sujeito, ele tem o direito de exigir que ela faça a parte dela bem feita!

    Aí vc vai me dizer: Que visão machista dos infernos!

    Mas veja bem, a visão machista não é minha. É do Sr. Namorado e da Sra. Namorada. Ambos estão juntos por que querem e compartilham da mesma visão social de relacionamento à dois(Da qual eu não compartilho). Mas quem sou eu pra julga-los?

    ResponderExcluir
  5. Cada casal com seu sintoma!!! Poderíamos ficar horas falando sobre o tal casal, sobre suas formas de relacionar-se, mas aqui e em qq relação se trata de outra coisa: Gentileza, gentileza, gentileza... Amor!! Diante de sentimentos desconfortaveis como os colocados, assim como Pablo, sugiro escolher com amor, pensar com amor, fazer com gentileza. Simples assim!!

    ResponderExcluir

Agora ponha o seu!